Há 2 anos iniciamos o projeto de Transformação Digital do Fretamento da Petrobras

Um relato sobre a participação da Buus na Transformação Digital do Fretamento da Petrobras.

Cada mudança ou transformação requer engajamento das pessoas.

O tempo voa quando você está se divertindo, mas às vezes é bom relembrar: há dois anos atrás, acabávamos de vencer uma licitação na Petrobras para “Gestão de Frotas Pesadas”.

Embora já tivéssemos bastante experiência com o sistema de gestão de fretamento, o desafio era como implantar um sistema assim num ambiente tão amplo quanto a operação da Petrobras. Há dois anos a comunicação entre ônibus, centro de controle operacional e passageiro era feita utilizando sistemas de rastreamento de frota que precisavam ser instalados no veículo. Nossa visão é de que esse processo precisa ser mais Plug & Play.

Após algumas tentativas frustradas trabalhando com tablets – cujo suporte geralmente quebra e que é grande demais para manusear de forma segura e eficiente – optamos por uma solução parecida com a Uber: utilizar apenas um smartphone para rastreamento, comunicação e controle de acesso. Os experimentos com o pessoal da Busport – um operador de transporte no Panamá – foram promissores e serviram como fundação para o nosso modelo atual.

Mas como é possível organizar isso quando o ônibus não é propriedade de seu cliente, mas de um operador de transporte que é contratado para prestar esse serviço?

Como posso fazer uma instalação não invasiva para evitar danificar o veículo do parceiro do seu cliente?

Como pegar energia elétrica?

Como treinar os motoristas? Será que vão roubar ou furtar muitos smartphones?  Será que esses smartphones vão aguentar o clima e a poeira do interior do Brasil?

Será que vai ter sinal de internet móvel lá no final da linha? 

Como os colaboradores (passageiros) vão reagir a essas mudanças?

Para conseguir as respostas destas questões, fui junto com o Felippe da Cás (e uma mala lotada de equipamentos e ferramentas) visitar a equipe da Vix em Linhares, São Mateus e Aracruz para experimentar, instalar e testar equipamentos – e para ensinar aos motoristas. Mas nesta visita acabamos aprendendo muito mais do que ensinando; Não só com os motoristas como com todas as pessoas que participaram do projeto. Vimos como as equipes Vix e Petrobras ficaram engajadas com o projeto e como os motoristas se empolgaram, explicaram e discutiam sobre o funcionamento. Também tivemos o prazer de ver os colaboradores da Petrobras utilizando nosso sistema até o final da linha na UTGC.

Veja aqui o filme que o Guilherme fez da nossa visita.

Na volta para casa o Felippe e eu chegamos tarde demais no check-in e eu – pouco acostumado a tecnologia – fui diretamente para o balcão e consegui fazer meu check-in enquanto o Felippe, que preferiu realizar o check-in pelo totem de autosserviço, perdeu o avião… às vezes, o jeito antigo funciona mais rápido.

Este post foi escrito por Warner Vonk com colaboração de Bryan Gonçalves.

Há treinamento para dar um “bom dia”?

Você sabe o quanto um “bom dia” faz a diferença no transporte de colaboradores na indústria? Respondemos essa pergunta utilizando um exemplo em vídeo.

São 5h30 da manhã. O trabalhador acorda, se prepara para sair, pega a sua mochila e vai até o ponto de embarque onde pegará o fretado que o leva até seu local de trabalho. Ao abrir a porta do veículo ele encontra o motorista. Daí vem a pergunta: qual é o valor de um “bom dia” vindo de ambas as partes neste momento?

Neste vídeo feito de forma espontânea e despretensiosa, é possível ver como é feita parte da intervenção da Buus nos operadores de transporte por fretamento.

Treinamento feito pela Buus em Joinville (SC) a pedido da Whirlpool. Os Motoristas são das operadoras Transtusa e Gidion.

Uma das partes mais importantes do nosso trabalho é o treinamento do motorista; ele é peça fundamental para o correto funcionamento da plataforma. Ambientá-lo no aplicativo é o primeiro passo: para muitos deles, ferramentas digitais no transporte ainda são novidades. Por isso, essa formação é feita com empatia e cordialidade.

Nosso treinamento é multidisciplinar – Por meio dele trazemos à reflexão sobre a importância do sorriso, do “bom dia” ao passageiro e como deve ser conduzido este relacionamento para que ambos se percebam como partes importantes um na vida do outro.

Após mais de uma década de experiência com transporte de passageiros, aprendemos que o ônibus não só transporta, mas também é um ambiente de conexão para diferentes pessoas. Manter este espaço de convivência em harmonia é fundamental para um bom dia de trabalho e um bom repouso na volta para casa.

Certamente este é um de nossos diferenciais, que fazem com que sejamos reconhecidos não apenas como um App ou uma plataforma de gestão, mas sim como solução atuante na transformação digital focada no ser humano.

Este post foi escrito por Filipe Moreira com colaboração de Bryan Gonçalves.

O que é Gestão de Mobilidade

E como a falta dela impacta negativamente o seu negócio.

Parece simples… mas como organizar o transporte dos colaboradores?

“Eu tenho 5 mil funcionários. Quantos ônibus eu preciso contratar para levá-los até o trabalho? E em quantos quilômetros rodados?”

Esse é um problema grande: Utilizando apenas 5 ônibus a mais que o minimamente necessário, você já tem um gasto milionário ao ano! E a pessoa responsável por fazer esse planejamento – geralmente alguém do RH – não sabe fazê-lo, não tem a qualificação ideal para fazê-lo e não quer fazê-lo.

Por mais que seja feito um planejamento inicial ótimo, ao longo do tempo (e levando em conta a rotatividade na empresa) ele vai sendo degradado – e a empresa começa a gastar mais do que precisa.

A pandemia deixou o transporte ainda mais complexo

Como se organizar o transporte de colaboradores já não fosse tarefa suficientemente difícil, veio a pandemia de coronavírus – e com ela a redução de embarques no veículo por questões de biossegurança. Como garantir que os profissionais cheguem com segurança e tranquilidade até o trabalho e depois às suas respectivas residências sem que a empresa gaste mais do que o necessário?

Desde 2015 nós, da Buus, fazemos o acompanhamento da organização do transporte por fretamento através de soluções tecnológicas, além de promover a transformação digital das mesmas. Durante esse tempo de pandemia vimos que a organização do transporte, que se dava por processos de planejamento estáticos e monitoramento de operações padrão, virou um processo mais dinâmico com atualizações semanais, diárias e até em tempo real.

Com o avanço do formato de trabalho híbrido (em que parte dos colaboradores trabalha alguns dias de casa e outros no escritório) somado aos cuidados para evitar a contaminação por COVID-19, a demanda de transporte muda a cada dia e cada hora. Por exemplo: caso um passageiro teste positivo para covid no dia, as rotas dos próximos dias precisam ser reajustadas e também é necessária uma verificação das rotas dos dias anteriores para rastrear possíveis contágios. Tudo isso sem esquecer os gastos da empresa, que já devem estar perto do dobro devido a redução de capacidade dos veículos.

Para que o transporte melhore, é preciso gerir a Mobilidade e o Acesso

A soma desses fatores levam ao aumento da carga de trabalho na organização e planejamento do transporte, que por vezes podia ser resolvido com poucas reuniões e em apenas 1 dia por mês. 

Além disso, a essência do trabalho também mudou: anteriormente, apenas era necessária a disponibilização do transporte. Agora é preciso organizar a mobilidade – oferecer outros meios de transporte e planejar alterações de turnos com home-office, assim garantindo o acesso aos meios de produção e aos colegas de trabalho para gerar valor à empresa.

Separadamente as tarefas parecem simples, mas como são tarefas interdependentes, dinâmicas e que interagem entre si, elas são de fato complexas. Por isso surge a necessidade de reunir todas essas funções – de definição de objetivos, organização, planejamento, acompanhamento, comunicação e realinhamento do transporte – e dedicá-las a um profissional capacitado para resolvê-las: o Gestor de Mobilidade!