Em tempos de Home-office, criar experiências junto com seu time vale a pena!

Relato do nosso CEO sobre a importância de se reunir com sua equipe.

Ei você, que trabalha para um chefe – quando foi a última vez que você falou com todos os seus colegas? Que você viu Breno, Simone e Matheus do andar de baixo? Quando foi a última vez em que você olhou nos olhos do seu gerente?

Por conta da pandemia, o home office se tornou uma opção necessária. Mas mesmo após pouco mais de um ano, as pessoas ainda não estão acostumadas com isso. O vínculo dos colaboradores com a organização e principalmente com seus colegas sofre um golpe forte. Normas, valores… OK, mas e daí, que diferença faz? Não tem ninguém te vigiando o dia todo. Diretoria? Nas últimas semanas, quase não se ouviu mais falar deles.

Sempre foi muito importante informar, engajar e ouvir seus colaboradores, mas a pandemia colocou a comunicação interna em evidência – mais do que nunca, existe a necessidade de manter o sentimento de união presente nas equipes.

O que te motiva?

Para fazer isso, é importante saber qual o valor agregado da empresa – qual é o papel dela na sociedade? Além da razão social… qual é a nossa responsabilidade social enquanto empresa? Como é a nossa história? De repente, isso é mais importante que nunca.

O ser humano usa histórias e experiências para dar significado ao que acontece ao nosso redor. E essa necessidade escala em conjunto com a complexidade do mundo: mais do que nunca as pessoas estão em busca de histórias que orientam, confortam e inspiram.

Você não está sozinho: 1300 CEOs também desejam isso

Uma pesquisa recente da KPMG com mais de 1.300 CEOs ressalta o que dizemos. Segundo dados, os CEOs querem mais atenção para seus funcionários. Eles sentem que profissionais talentosos, em tempos de trabalho doméstico forçado, podem escorregar entre os seus dedos. Afinal de contas, porque ele escolheria continuar trabalhando na sua empresa, com sua equipe, e com você, se ele – num escritório mais distante – pudesse fazer o mesmo trabalho por mais dinheiro?

Não é só sobre o destino

Antes de tudo, seja consistente: o que você acredita, o que você fala e principalmente o que faz, deve estar em linha. Lembre-se que grande parte do prazer de uma história não é sobre o destino, e sim, sobre a jornada até lá! Então, reúna (com todos os cuidados possíveis) seus funcionários, e os permita contarem suas versões de suas histórias e experiências no ambiente de trabalho – e como eles contribuíram para isso. Com isso, você alimenta o espírito de equipe e destaca como os colaboradores contribuem para o sucesso da empresa.

No meu caso, no início do projeto de instalação da nossa plataforma de gestão de fretamento para um cliente, tive que viajar para o Espírito Santo e alinhar a operação. Junto com Felippe (nosso Gerente de Projetos na época) e o cliente, conseguimos realizar a primeira instalação – que serviria como modelo para outras 40 bases, uma grande conquista para a Buus.

Mas o que mais nos lembramos dessa missão foi a viagem de volta que deu errado. Devido a nossa empolgação, saímos tarde demais para o aeroporto. Felippe acabou chegando após o horário de check-in e perdeu o avião. Para voltar logo pra casa, ele decidiu pegar um ônibus – esperando mais 5 horas até a chegada do ônibus, e mais 12 horas de viagem. Quando chegou no Rio, ele estava super cansado, mas satisfeito.

Ele não sentiu tanto o peso da longa viagem porque a equipe inteira estava o acompanhando – a distância no Rio de Janeiro, Bahia e outros estados do Brasil. Essa história é lembrada por nós não pelo início de um grande projeto, mas pelo que aconteceu com o Felippe na volta. Ao longo dos tempos, essa história influenciou todos os outros colaboradores, que se ofereceram para sair da sua zona de conforto e viajar Brasil afora para concluir o projeto.

Sempre que for possível, crie momentos para que histórias e experiências como essa possam acontecer na sua equipe!

Qual história de sua equipe de antes da Pandemia te faz sorrir?

*A parte inicial desse texto é baseada em “werk jij voor jezelf of voor een baas” de Cor Hospes.*

Home office – Quando a opção se torna necessidade

Organização, comunicação e socialização são importantes para um ambiente saudável de trabalho.

Muito antes do início da pandemia de covid-19, o trabalho de casa já estava em pauta em muitas organizações do mundo. Oferecer para seus funcionários liberdade de estar onde quiser, flexibilidade na jornada de trabalho e melhor qualidade de vida são alguns dos benefícios sempre citados quando se opta pelo trabalho remoto. Ir para o escritório uma ou duas vezes por semana é escolhida como a situação ideal pela maioria dos colaboradores, apenas para não perder as relações interpessoais.

Ir para a empresa, trabalhar em um coworking ou café eram opções válidas e recomendadas para quem trabalha remotamente. Conforme estudo da Harvard Business School de 2019, trabalhar de qualquer lugar torna o profissional até 4% mais produtivo do que quando se trabalha em casa. Tudo por conta de nossa necessidade de interação social, e das armadilhas que a mente prega ao nos isolarmos. 

Espaço de Coworking. Foto de Startup Stock Photos no Pexels

Mas e quando ficar em casa não é só uma opção, e se torna a necessidade? Como manter o engajamento e convívio na empresa, quando estamos há quase um ano sem ver nossos colegas pessoalmente?

Comunicação e organização nunca foram tão importantes

É importante saber utilizar bem as ferramentas de comunicação para não se perder em um caos. Usa só o WhatsApp? O mercado disponibiliza várias opções mais profissionais do que o WhatsApp para a comunicação instantânea no ambiente corporativo: Slack, Monday, Microsoft Teams. Estas ferramentas ajudam a organizar os assuntos por canais, fazer videochamadas, enviar arquivos e o melhor de tudo: buscar de maneira rápida e ágil trechos de texto, conteúdos de arquivos e mais. 

Para além de funcionalidades, utilizar uma ferramenta dedicada para a comunicação com os colegas de trabalho colabora com a separação entre trabalho e vida pessoal, que muitas vezes é um problema quando se adere ao trabalho remoto sem uma organização sólida

Mas não é só de chat que se cria um time engajado. As ligações em vídeo são muito importantes para diminuir a sensação de distância com os colegas e gestores. Jogar conversa fora, como se faz naquela pausa pro café, é um tanto complicado quando se está em uma ligação com um objetivo predefinido. É interessante incorporar chamadas sem um tópico definido, pois isso pode render inesperadas trocas de experiências. Procure marcar algum tempo na semana para ligar pra uma das pessoas da empresa e socializar. Talvez compartilhar o que está lendo ou mesmo falar sobre outros assuntos não relacionados ao trabalho. Isso ajuda a aumentar a sensação de pertencimento da equipe

Videoconferência entre colegas de trabalho. Foto de tirachardz no freepik

Para manter a produtividade e tudo acontecendo, organizar as demandas se mostra mais importante que antes. Utilizar algum tipo de controle de tarefas é essencial, para que seja possível saber o andamento de projetos mesmo sem precisar perguntar para a pessoa responsável. Isso ajuda a evitar o terror dos colaboradores: microgerenciamento. Para atingir objetivos e não se perder nas urgências do dia a dia, só com organização e confiança no time.

Realidade na Buus desde sua fundação, a necessidade de permanecer em casa não afetou nosso planejamento, e sim o contrário – levou ao ano de maior crescimento da empresa em sua história e inspirou o desenvolvimento de novas funcionalidades para ajudar nossos clientes a cumprirem com as normas sanitárias vigentes.

Enquanto não estamos todos 100% seguros para dar aquele abraço, seguimos trabalhando para tornar o virtual mais real possível!