Dúvidas frequentes sobre o coronavírus no Transporte

Informações e recomendações para passageiros e gestores no setor de transporte

Imagem por rawpixel.com via freepik

A preocupação com o avançar da contaminação com o COVID-19, fez prefeitos e governadores começarem a adotar medidas restritivas que afetam diretamente a operação dos serviços de transporte público e de fretamento.

Atividades econômicas “não essenciais” foram suspensas, permitindo que um maior número de pessoas pudessem cumprir o isolamento social. Como o transporte coletivo é um serviço essencial — afinal, ele transporta os funcionários de outros serviços essenciais — Motoristas, cobradores, mecânicos e demais profissionais envolvidos nessa atividade continuam trabalhando.

Todas essas mudanças e determinações têm levantado dúvidas entre a população e a mobilidade é uma questão central. Destacamos aqui algumas dúvidas que podem ser úteis aos passageiros e gestores de serviços de transporte. Veja a seguir:

1. Quais são as atividades consideradas essenciais?

Inicialmente, prefeituras e governos estaduais saíram na frente e definiram quais as categorias deveriam parar. O governo federal, via decreto presidencial, resolveu normatizar a lista de atividades essenciais mas depois, o Supremo Tribunal Federal (STF) julgou que cabe aos estados e municípios o poder para definir regras sobre o isolamento. Destacamos aqui as sugestões do governo federal, mas lembre-se de avaliar as notícias mais recentes do seu governo local com regras mais específicas:

  • Assistência à saúde, incluídos os serviços médico e hospitalares;
  • Transporte intermunicipal, interestadual, internacional de passageiros e o transporte de passageiros por táxi ou aplicativo;
  • Produção, distribuição, comercialização e entrega de produtos de saúde, higiene, alimentos e bebidas;
  • Produção, distribuição e comercialização de petróleo, combustíveis e derivados;
  • Captação e tratamento de esgoto e lixo;
  • Imprensa;
  • Atividades de segurança pública e privada;
  • E outros. Veja a lista completa aqui.

2. Sou um gestor de transportes. O que posso fazer?

Fique atento às recomendações e determinações da sua cidade e estado. Lembre-se que essas orientações não estão escritas em pedra e têm sofrido mudanças ao longo do tempo. É preciso se manter atualizado. Se o seu serviço de transporte circula por mais de um município, você precisará saber o que as cidades envolvidas no seu trajeto estão fazendo.

Para gestores do serviço de fretamento, vale chamar a atenção para questionamentos ou ações de trabalhadores que estão contestando as condições em que estão sendo transportados. Já começamos a ver o movimento do Ministério Público, a partir de denúncia da força de trabalho, questionando uma empresa por, supostamente, estar operando com uma ocupação incompatível com as regras de distanciamento social.

Outras dicas estão sendo dadas aqui no blog. Veja nossos posts sobre como melhorar a eficácia do seu planejamento e a comunicação com seu público.

3. Sou um usuário de serviços de transporte. O que posso fazer para impedir a propagação do vírus quando viajo no transporte coletivo?

As recomendações que devem ser seguidas são relativamente simples. Aos passageiros é recomendado:

  • Lavar as mãos regularmente;
  • Tossir ou espirrar entre o cotovelo;
Imagem por: Irina Strelnikova via Shutterstock
  • Usar lenços de papel;
  • Não tocar nas mãos dos outros;
  • Sempre que possível, manter 1,5 metros de distância de outras pessoas.

Portanto, não use assentos próximos ou oposto a outros, a não ser que isso seja absolutamente necessário. Qualquer pessoa que esteja infectada com o coronavírus deve evitar o contato físico com outras.

4. Eu tenho saúde frágil. Ainda posso viajar de transporte coletivo?

Para minimizar o risco de infecção pelo coronavírus, você deve evitar o transporte coletivo por enquanto.

5. O que devo fazer se eu desconfiar que há um passageiro ou condutor infectado no transporte coletivo?

Você não precisa fazer nada além das medidas mencionadas na resposta da questão de número 3.

Fontes:
[1] Governo da Holanda
[2] Portal G1
[3] Portal da Legislação do Governo Federal