Gestão de Mobilidade para Indústrias – Passo 4

Levantamos questões sobre o monitoramento de operações de transporte fretado, com insights para ajudar nas respostas.

Este post explica como é feito o Controle Operacional do transporte fretado para indústrias. Para ver todas as outras atividades, clique aqui

Agora que operação está rodando, é necessário monitorar se tudo está conforme o planejado – Se todos os nossos 5 mil colaboradores estão embarcando e se os motoristas estão cumprindo o itinerário, por exemplo.

O objetivo do controle operacional é garantir que tudo anda conforme o planejado e, caso não ande, que você tenha informações o mais rápido possível para agir.

Normalmente, para saber se uma operação de transporte está ocorrendo como planejada basta ligar – e possivelmente atrapalhar o serviço –  para o motorista ou para a operadora responsável para perguntar, ou verificam-se os documentos com as informações sobre a viagem. Também há gestores de mobilidade que podem consultar quem já embarcou no veículo e como anda a viagem utilizando um sistema de rastreamento de frota.

Geralmente as questões a serem respondidas nesse momento são as seguintes:

  1. Como está o andamento e execução pelos motoristas das viagens planejadas? Eles estão cumprindo todas as paradas? Passando no itinerário combinado? Eles estão atendendo de forma pontual?
  1. Todos os passageiros programados de fato conseguiram embarcar?
  1. Posso saber se o pessoal do Turno 2 (que vai render o pessoal do Turno 1) já embarcou e vai chegar no horário programado? Ou preciso segurar o pessoal do Turno 1 – e pagar hora extra?
  1. É possível enxergar facilmente como está a operação? E se algo estiver fora do normal, é possível detectar pelo sistema?
  1. Os colaboradores estão satisfeitos com o serviço prestado? 

Caso um colaborador (passageiro) ou um cliente entre em contato com uma dúvida, por exemplo “o veículo me deixou por trás”, você deve querer coletar as informações relevantes o mais rápido possível para resolver o problema. Porque se nesses momentos, temos uma resposta ágil que resolva o problema, os nossos clientes vão começar a entender que o departamento de mobilidade não é bagunça não. 

Este post foi escrito por Warner Vonk com colaboração de Bryan Gonçalves.
warner

Autor: warner

CEO of Buus | Promovendo a transformação digital do transporte de colaboradores no Brasil e no mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *